domingo, 28 de novembro de 2010

MP dá a senha: demissão de 30 mil funcionários estaduais

Não é possível que seja intencional ou combinado o agendamento da demissão de 30 mil funcionários públicos estaduais. O Ministério Público (MP) é uma instituição séria e não se passaria a realizar este capricho para atender aos anseios do governador eleito Ricardo Coutinho. Independente da seriedade que os cidadãos dispensam ao MP é estranho que alguns de seus integrantes tenham, neste momento, sinalizado para a demissão de um contingente tão grande de não concursados do serviço público. É o mesmo que dizer que a Instituição foi inoperante nas duas últimas décadas quando o assunto é contratação sem o amparo do concurso público.
Mesmo sem acreditar que foi tudo combinado para aliviar os efeitos negativos que a demissão de um número tão acentuado de pessoas possa gerar, a senha foi muito bem aproveitada pelo governador recém eleito, Ricardo Coutinho. De fato, o agendamento do tema está estabelecido desde que o Procurador Oswaldo Trigueiro sugeriu ao governador Maranhão a dispensa de 30 mil destes funcionários sem amparo legal.
Mas, a indicação de demissão de forma simplista e sem que seja atribuída a proibição para novas contratações só facilitará ao novo governador substituí-los por uma nova leva de subalternos mais “integrados” à nova forma de administrar. Foi assim que aconteceu com a Prefeitura Municipal de João Pessoa e será desta forma com o Governo do Estado. A demissão estará justificada se não houver novas contratações. Se essa cláusula for estabelecida a agenda imposta pelo Ministério Público ganhará ares de seriedade. Do contrário será apenas uma senha para justificar a demissão de cerca de 30 mil destes integrantes do serviço público.
Vereador do Pagode – O frisson desencadeado pela sugestão de demissão dos funcionários do Estado pelo MP foi tão festejado que o vereador Bruno Farias, que propalou a célebre frase “ele não entra no meu pagode, não foi convidado”, arvorou-se em sugerir que a responsabilidade caberia ao Governador José Maranhão. Em seguida e mesmo estando a sua declaração gravada em vídeo, tentou desconversar e refazer a bobagem que havia proferido. Sugeriu que suas declarações faziam referência aos que não trabalham.
Para demitir ou dispensar do serviço público um funcionário não estável, não necessita que o MP diga o que tem que ser feito. Mas, não estranhe. Como o vereador Bruno Farias tem fama de tentar impedir que entrem em seu pagode sem ser convidado, para depois permitir que este não convidado não só entre como tome a cerveja mais gelada e diga a música com a qual ele deve dançar.... bateu pino.
Informações dos portais publicadas na semana davam conta que o governador eleito iria “fazer o possível para não demitir 15 mil funcionários”. Como se percebe, demissões ocorrerão, independente de haver ou não novas contratações. Neste domingo, dia 28 de novembro, um dos integrantes da equipe de transição, Walter Aguiar, sugere “conversa” com integrantes do Ministério Público sobre a questão das demissões sugeridas.
Ao mesmo tempo, os deputados também passam a discutir o assunto em plenário. Tudo caminha para uma justificativa assentada e imperiosa para o novo governador. Ricardo Coutinho, com base na conversa entre integrantes da equipe de transição e MP, nos debates entre parlamentares na Assembléia Legislativa e ainda no modo “republicano de governar”, passará a caneta e demitirá, talvez não 30 mil, ou 15, mas os últimos contratados do governo Maranhão. Estarão isentos das demissões os contratados no período Cássio Cunha Lima I e II, já que poderiam ferir os brios do ex governador.
No entanto, os 15 ou 10 mil demitidos abrirão caminho para as novas contratações, desta vez com o perfil mais “republicano” e mais engajado com a nova administração. O MP, seguramente, não perceberá a efetivação dessas substituições e, quem sabe, num futuro próximo, apontará a necessidade de demissões no serviço público estadual. A senha novamente se converterá em agenda e tudo recomeçará a ser discutido, sem que o problema seja efetivamente resolvido.  Mas o governante de plantão terá tempo suficiente para alojar os seus, substituindo contratados precariamente por uma nova leva de ávidos cidadãos que buscam engordar o orçamento familiar.

sábado, 20 de novembro de 2010

O ca$o Cá$$io Cunha Lima no STF e a sua vida de Playboy

A palavra final do Supremo Tribunal Federal(STF) sobre a aplicabilidade da Lei da Ficha Limpa poderá ser uma ótima oportunidade para os paraibanos saberem como alguém custeia seu estilo de vida. Quase dois anos depois de cassado, o ex governador Cássio Cunha Lima continua a exibir sua vida de playboy, quer em demoradas viagens pelos EUA, quer em incursões por São Paulo e Brasília. São dois anos vivendo das economias feitas durante longos anos de trabalho e agora arcar com o milionário pagamento das bancas advocatícias em plano estadual e nacional.
Vida custosa, com gastos republicanamente pouco explicáveis (diria o governador eleito) para um agente público que “não trabalha” há quase dois anos e, mesmo assim, consegue contratar alguns dos advogados mais caros do Estado e do país para tentar reverter o desfavorável quadro de sacá-lo da lista dos fichas suja que barrou alguns caciques da política nacional nas eleições 2010.
Não é um caso exclusivo esse do ex governador Cunha Lima. Mas, ele impressiona porque, como é sabido, não possui outras fontes de renda – quer como empresário, industrial,  advogado ou mesmo integrante do serviço público federal, estadual ou municipal – para explicar a vida nababesca que leva nos momentos de estio eleitoral ou revés judicial.
Por analogia é possível afirmar que as bancas advocatícias à disposição do ex-governador Cássio cobram cifras altas para desempenhar ações tão importantes. Tais valores cobrados mensalmente por alguns desses advogados na prestação de serviços ao Governo do Estado e suas autarquias ou Prefeitura Municipal - em determinados casos - estiveram fixados em custos superiores a 10 mil reais mensais. Para a importante missão de salvá-lo da condenação de ficha suja, os causídicos devam cobrar honorários semelhantes ou superiores.
Se o cidadão observa esses detalhes de gastos no plano nacional, a coisa é mais complicada. Nesta esfera, os defensores que gozam de reputação operam nestas causas com tarifas bem acima das praticadas pelos integrantes das bancas advocatícias estaduais. Isso reforça a analogia de que os gastos, com todas as formalidades processuais que envolvem caso tão importante (viagens, papelada, estudos de aplicação das leis, recursos os mais diversos), projetam uma ação milionária.
De onde vem tanto dinheiro? Da pensão vitalícia como ex-ocupante do cargo de Governador de Estado? Sinceramente é difícil explicar ou justificar. Só se os causídicos, no plano estadual ou nacional, estiverem trabalhando de forma gratuita, despretensiosa e altruísta. Do contrário e fazendo analogia com outros servidores públicos federais, cujos salários se aproximam dos vencimentos de um governador da Paraíba, é possível afirmar que as contas não batem.
Inexplicavelmente alguns recentes integrantes de cargos de confiança passam a adotar padrão elevado, muitas vezes superiores aos que seus vencimentos podem proporcionar. Isso é que faz do serviço público um espaço didático sem precedentes: moradias amplas e caras, automóveis impressionantes entre outros sinais de ascensão social mais que aparentes dão a tônica. Em breve poderemos ter um desses gestores públicos indicados para o Prêmio Nobel de Economia.





terça-feira, 16 de novembro de 2010

Luiz Couto: segurança pública do estado não é sua prioridade

PB: muito crime para pouco Sherlock

 A negativa do deputado Luiz Couto em assumir a Secretaria de Segurança do Estado (mesmo antes de ser convidado) mostra que a preocupação do parlamentar com a área é apenas discursiva. Ação prá valer, nada. Não é de estranhar para um deputado que está sempre a fazer denúncia sobre formação de quadrilha, sobre prostituição infantil, grupos de extermínio e nunca  mencionou um único nome de integrante.
Couto sabe que essa é uma área difícil e, em entrevista ao WSCom, descartou qualquer possibilidade de assumir a pasta da Segurança Pública. Ele ainda argumentou que existem pessoas mais preparadas para o cargo. Parece uma atitude despretensiosa, mas a falta de compromisso para uma área que parece entender. Mais: o deputado dá a entender que a partir de janeiro teremos uma polícia eficaz e que os paraibanos podem despreocupar de carros estacionados em lugares públicos, dos seguranças privados para a vigilância das casas, do ir e vir dos filhos dos colégios ou locais de diversão, etc.
O termo “parece dominar” remetido ao deputado Couto, é bem verdade, traz consigo embutido uma dúvida. Mas, explica-se. Ele nem sempre deu bons sinais de compreensão para com questões de Segurança Pública e em pelo menos um caso sua atuação foi desastrosa. O leitor deve lembrar de uma visita que Luiz Couto realizou a uma fonte de informação sobre grupos de extermínio na região do Conde e Alhandra, juntamente com uma figurona internacional dos Direitos Humanos. O parlamentar fez questão de alardear para a imprensa a visita da autoridade internacional e, com seus guarda costas da Polícia Federal, fez questão de levá-la para “dialogar” com a testemunha.
Pouquíssimo tempo depois o autor das denúncias visitado por Couto e pela figurona dos Direitos Humanos foi assassinada. Não dispunha do mesmo aparato protetor nem os mesmos guarda-costas fornecidos pelo Governo Federal, muito menos da Secretária de Segurança da gestão Cunha Lima, o filho.  No afã de exibir o problema, o deputado integrante da Comissão Nacional esqueceu que o procedimento mais indicado para o caso era o anonimato da fonte. Couto nem sequer apelou para o serviço de proteção a testemunha e o resultado é sabido, embora pouco comentado. Um desastre.
De todos os modos é importante saber a importância que Luiz Couto dispensa a Segurança Pública do Estado, ao recusar-se, por antecipação, a um possível convite do governador eleito, Ricardo Coutinho. Por enquanto o placar é de vantagem para a insegurança. Mas, é importante ressaltar que também o futuro governador não fez o convite, o que deixa a situação da Segurança Pública ainda a descoberto.
Bandidos não esperam. O cidadão não pode esperar. Couto e o governador eleito serão responsabilizados por tudo que aconteça no campo da Segurança Pública. O primeiro por recusar-se a contribuir assumindo a pasta, o segundo por ser o comandante em chefe. Um e outro por terem feito os paraibanos acreditarem que viveriam seus melhores momentos de paz no reino dos homens da pequena Paraíba.





sábado, 13 de novembro de 2010

O crime eleitoral compensa?

As eleições para Governo do Estado expuseram uma série de práticas abusivas que podem ser consideradas crimes eleitorais. Algumas, inclusive, foram mostradas em vídeo e com som audível. Na gravação, Deusdete Queiroga, superintendente da Emlur, autarquia da Prefeitura Municipal de João Pesso,  tenta viabilizar a compra de duas mil passagens de ônibus com os destinos acertados para a cidade de Campina Grande e região do Cariri. A conversação entre comprador e intermediário da venda dos bilhetes deixa claro o nome da empresa e o modus operandi da transação.
A inexistência de investigação sugere ao cidadão atuações de gestores públicos em transações de caráter duvidoso é absolutamente normal e a possibilidade de incursões em crimes eleitorais lucrativa. Sobretudo se este gestor permanece à frente de uma autarquia que trabalha com inexistência de licitação para a coleta de lixo da Capital paraibana. Um negócio nebuloso que envolve umas poucas empresas coletoras de resíduos e duas gestões a frente da Prefeitura Municipal de João Pessoa: a dos ex-prefeitos Cícero Lucena e Ricardo Coutinho.
O diálogo é esclarecedor para muitos aspectos que poderiam ser observados pela Justiça e, sobretudo pelo Fisco estadual. Isso porque, como está implícito no diálogo da compra dos bilhetes, envolve hábitos que devem suscitar investigação fazendária sobre o modo frouxo de contabilidade por parte de concessionárias de transporte público. Senão vejamos:
- Deusdete Queiroga:  E aí eu queria ver o seguinte, rapaz: a gente tá pensando em ver se já consegue comprar umas passagens para Campina e aquela região de Monteiro...Aí eu queria ver se você fazia...dava uma conversada lá, com ele... sei lá se a gente podia pensar aí João Pessoa Campina... umas 2 mil passagens, né?... A gente tem como comprar e entregar,porque tens umas empresas que só querem vender se der o nme e CPF e tal, mas no caso da Real tá tranquilo?
No entanto, no diálogo travado entre o superintendente da Emlur, há um detalhe ainda mais interessante, ou seja, o transporte de valores em espécie e sem declaração: Agora olhe, se você precisar de mim para fazer aquele transporte de dinheiro, eu ando assim”, expõe o interlocutor. Deusdete esclarece que transporte de dinheiro, só seria visto mais tarde e que naquele momento estava mais preocupado com o transporte de pessoal e com a compra de passagens. Em seguida garante que vai “ver” e que “se precisar, liga”.
Todas as pistas para uma investigação estão dadas, quer sobre as operações da empresa Real, quer sobre a atuação do gestor da Emlur no tocante a volumosa compra de bilhetes de ônibus, quer sobre a possibilidade de vir a necessitar de transporte de dinheiro. Uma investigação bem coordenada poderá esclarecer para que, para quem e com que finalidades a substancial e volumosa compra de passagens de ônibus, bem sobre as finalidades da possível remessa de dinheiro.
Advogados e mesmo o gestor terão a deu dispor uma vasta, interminável e caudalosa possibilidade de justificar o interesse em comprar tantos bilhetes. O deslocamento familiar é uma delas, mas Deusdete Queiroga não terá dificuldades em provar, por a mais b, que sua família é numerosa e, portanto, necessitava de dois mil bilhetes. Sobretudo porque a compra se efetivaria sem necessidade de identificação do passageiro ou eleitor.  
A empresa Real poderá simplesmente dizer que não tratou da venda de bilhetes com ninguém e que não possui emissários para esta tarefa. Mas, como existe a gravação e nela estão contidos os detalhes da transação, não custa nada enviar uma força tarefa do Fisco para averiguar o incremento e as formas de venda da empresa concessionária de transporte público.
Se o Ministério Público e o Fisco não investigarem com profundidade todas as questões que transparecem na gravação exposta no blog do Dércio (que mostra o superintendente da Emlur acertando a compra de dois mil bilhetes da empresa Real) o cidadão pode ter a certeza de que vale a pena investir na prática e que elas compensam.





quinta-feira, 11 de novembro de 2010

Denúncias de superfaturamento se avolumam na PMJP

Agra: mal fala, mal ouve, mal vê

As recorrentes denúncias de superfaturamento por parte da Prefeitura Municipal de João Pessoa é algo que chama a atenção. Não sei se o Ministério Público tem sentido o amontoado de revelações feitas pela imprensa: material de informática, Fazenda Cuiá e a mais recente compra de livros. Por muito menos que isso, um grupo de técnicos e o senador Cícero Lucena tiveram, anos atrás, prisão decretada e acamparam no quartel da Polícia Militar de Mangabeira, após deflagrada a “Operação Confraria”.
O que difere os escândalos que originaram a Operação Confraria para as atuais denúncias envolvendo prefeito e técnicos da prefeitura da Capital? Pelo volume de dinheiro público envolvido nas transações duvidosas, nada. O silêncio tumular por parte de instituições responsáveis por zelar pela coisa pública só pode ser explicada se as investigações estiverem sendo aprofundadas. Os resultados devem, no mínimo, ser divulgados com a brevidade necessária exigida pelo cidadão.
Sobre as explicações aos cidadãos, é importante enfatizar que os gestores públicos municipais parecem esquecer que é uma obrigação que possuem com o público. Entende-se que o prefeito tenha alguns problemas de coordenação entre o que pensa e o que fala, que gagueje quando o assunto é mais delicado e, sobretudo quando as explicações são de difícil assimilação. Mas é para isso que existem profissionais (advogados e procuradores da PMJP e jornalistas – secretários e assessores)
No campo da diversidade e fauna política temos uma Câmara Municipal operando com a mínima qualidade de sempre: a situação que tenta desviar o assunto para outras esferas (inclusive para as que não têm competência) e a oposição em estado de complacência por falta de capacidade de operação e inteligência para tornar as denúncias em agenda  para os próximos meses. Se bem articulado, os efeitos de um estudo mais acurado das compras e transações imobiliárias superfaturadas poderiam render ao presidente da Câmara Municipal alguns bons meses como prefeito. Este é o maior receio dos governistas: em função das denúncias e de suas comprovações, ver o prefeito apeado do cargo, a partir de uma posição com mais volume e unida na apuração dos fatos. 
Enquanto os gestores públicos e políticos da Capital evitam proporcionar as explicações necessárias para os cidadãos, avolumam-se as denúncias de compra superfaturada, de desapropriação de terreno com preços muito superior aos valores de mercado praticados na zona mais valorizada de João Pessoa, o Cabo Branco e seu vizinho Altiplano, além de perceber que Zonas Especiais de Preservação estão sendo irregularmente transformadas, a pinceladas de canetas, em loteamentos para habitação.







quinta-feira, 4 de novembro de 2010

Luiz Couto, "o cabra..."

Secretário de Segurança da Paraíba
O governador eleito Ricardo Coutinho quer inserir a questão da violência pública na agenda do encontro com a presidente eleita, Dilma Roussef. Não é para menos. O tráfico de entorpecentes tem crescido assustadoramente no Estado da Paraíba, como de resto toda a classe de violência. Embora não existam estatísticas confiáveis a esse respeito, as apreensões de traficantes, os assassinatos nos centros urbanos de pequeno, médio e grande porte  indicam que esse é um dos temas mais urgentes para os cidadãos paraibanos.
Ricardo Coutinho não deverá ter dificuldades para emplacar um secretário de segurança que concentra em seus discursos e sapiência demonstrada sobre violência (particularmente, sobre grupos de extermínio, prostituição infantil). O cara, “o cabra” (nordestinês) é o deputado federal, Luiz Couto, que não teria como recusar a uma solicitação do governador. A negativa a um chamado tão importante poderá soar como um descaso para uma área que parece dominar e que apontou várias falhas, quer nos governos Cássio I e II, quer nos Maranhão I, II e III.
Ricardo Coutinho, por sua vez, não terá como deixar de convidar Couto para a tarefa. A população paraibana necessita de alguém que demonstre, na prática, que pode resolver os problemas que apontou durante o exercício de seus mandatos legislativos, que faz da tribuna e dos noticiários uma caixa de ressonância a necessária segurança do cidadão e no combate à violência no Estado.
Ricardo e Couto, independente dos adjetivos e insultos trocados no passado serão cobrados desde o primeiro dia de governo pelo que podem e devem fazer pela segurança na Paraíba. E as missões para superar os problemas desta área são muitas e vão requerer também um plano para além das fronteiras do Estado. Neste quesito o Governador Eduardo Campos pode jogar papel preponderante, fechando as fronteiras do seu Pernambuco, sobretudo da capital, Recife – detentora de título de uma das cidades mais violentas da América Latina e a que possui maior índice de assassinatos entre jovens – com estratégias de segurança que impeçam a exportação da delinquência.
Com Luiz Couto como secretário de segurança, a Paraíba terá uma polícia mais cidadã, mais atuante e menos afeita a integrar, como já denunciara o próprio deputado federal petista, os grupos de extermínio (embora nunca tenha citado um único nome de envolvido). A prostituição infantil, área que tanto o governador eleito quanto Luiz Couto conhecem com profundidade (já que integraram CPIs em nível de João Pessoa, da Paraíba e Brasil) terá dias contados no Estado.
 O governador eleito, com a efetivação de Couto também terá a colaboração direta da presidenta eleita, Dilma Roussef. Em breve, os paraibanos poderão dormir de portas abertas sem o perigo de ver entrar em qualquer horário do dia ou da noite algum bandido aloprado para levar pertences e vidas. Os jovens poderão sair de casa para os períodos de diversão cotidiana e retornarão aos seus lares sem que os pais se desesperem aguardando suas chegadas.
Comerciantes e empresários não terão mais os momentos de tensão: os que acedam às casas de vendas de produtos diversos, aos bancos e as lotéricas terão apenas como objetivo a compra, o pagamento desta ou aquela parcela (dívida) ou o sonho de tornar-se milionário com o acerto dos números das várias modalidades de apostas (mega-sena, quina, loto, etc.).
Os nossos filhos, os colegiais, poderão sair de casa sem a preocupação de terem usurpados os tênis, celulares, mochilas e bicicletas. Mas, o que é ainda mais importante: os aglomerados subnormais terão a volta da paz e da tranqüilidade. Traficantes serão varridos das nossas fronteiras e viveremos em harmonia, sem o preconceito que separa as classes sociais ou as etnias. Com Luiz Couto secretário de segurança, Ricardo Coutinho terá um expert no assunto e um fiel colaborador. Qualquer outro convite (a um desses deputados não reeleitos ou coisas do gênero) parecerá que o governador eleito não leva a segurança a sério. 







segunda-feira, 1 de novembro de 2010

As eleições brasileiras publicadas no EL PAÍS

Dia de todos os Santos na Espanha. Feriado nacional. A capa do jornal de maior circulação, EL PAÍS, destaca a foto da primeira presidenta eleita no Brasil, Dilma Roussef e menciona a vantagem de 12 pontos sobre o seu adversário no segundo turno, o Social Democrata José Serra. Parece pouco, mas não é. Na mesma capa em que Dilma ganha destaque em foto o jornal publica confronto entre o PSOE (Partido Socialista Obrero Español) e o oposicionista Partido Popular (PP): corte de gastos públicos, ampliação para a idade mínima de aposentadoria (de 65 para 68 anos) dão a tônica da reportagem sem fotografia.
No interior do jornal, duas páginas completas abrem a seção internacional do EL PAÍS. As eleições brasileiras cristalizam uma série de outras unidades informativas publicadas durante o ano.  No mês de outubro, pelo menos dez grandes reportagens abordaram a disputa eleitoral e os problemas que o futuro presidente terá que afrontar, apesar dos avanços conseguidos nos oito anos de governo Lula da Silva. Na maioria destas unidades o tamanho variou, mas prevaleceu os destaques de página inteira e até duas páginas.
Inegavelmente, o presidente Lula deixa deixará o país com uma imagem internacional muito melhor. As referências sobre a violência e a desigualdade ainda ocupam espaços significativos nas páginas dos jornais espanhóis. Mas é visível que estas imagens negativas são cada mais escassas em se comparando com outros temas mais relevantes. O Brasil passa a ganhar destaque como referência na produção de energia e combustíveis (não só pelas descobertas recentes de jazidas de petróleo em águas profundas, mas também pelo uso do biodiesel, álcool combustível, etc.), na economia e nas relações internacionais.
Diferente das manchetes que, via de regra, estampam nas páginas dos impressos mais importantes do país, o caráter positivo das aparições do Brasil nas reportagens e notícias publicadas no EL PAÍS (ainda que em caráter provisório e superficial) nos anima a afirmar que o país é uma referência importante. Detalhe: os brasileiros souberam perceber e separar os interesses de grupos econômicos e ideológicos nas informações produzidas pelos grandes conglomerados de comunicação nacionais e os avanços conquistados no governo Lula e apontaram para a sua continuidade com Dilma Roussef.
Daqui, de ultramar, olhando de lugar frio e chuvoso, percebo que o Brasil é muito maior do que a imprensa nacional tenta fazer crer aos brasileiros. Sobretudo em períodos eleitorais e quando os interesses dos proprietários dos mais importantes meios de comunicação estão centrados no Estado de São Paulo e na riqueza de poucos em detrimento de muitos.
Destaque em amarelo inserido pelo blogueiro
Tiririca internacional- A sisuda cara e o apelo ultra-conservador de José Serra, sobretudo em temas relacionados ao aborto e a religião contrastam com a aparição de Tiririca em terras del Quijote. Num breve comentário de dois parágrafos o articulista da seção internacional de EL PAÍS, Moisés Naím, trata a eleição do palhaço Tiririca como um sinal de consolidação democrática e um sinal claro da população em escolher personagens muito distante do estigma do político tradicional e lembra seus discursos mais badalados en castellano: “Yo no sé qué hace un diputado federal, pero si me eliges, voy al Congreso y te lo cuento. Quiero ayudar a la gente de este país, pero sobre todo a mi familia”. 

Na Paraíba. A distância é grande, mas é importante registrar a vitória do ex-prefeito de João Pessoa, o socialista Ricardo Coutinho sobre o seu ex-companheiro de caminhada (até as últimas eleições estaduais), o peemedebista Zé Maranhão. Passada a refrega, é importante atentar para a formação do governo com a distribuição das secretarias. O eleitor saberá por volta do final de 2010 como as composições se efetivarão, já que a carência de parlamentares fiéis e/ou dependência de base sólida dos socialistas poderão fazer ressurgir figuras como Joácio Morais, Pedro Adelson, etc. A composição das pastas apontará os rumos do novo governo.
Até lá, os sentimentos republicanos exigem que uma série de fatos registrados até o dia da eleição sejam verificados. Sobretudo quando o assunto é a compra de 2 mil passagens  de ônibus para Campina Grande e região do Cariri pelo superintendente da Emlur (Deusdete  Queiroga) ou a milionária desapropriação de parte da alagadiça Fazenda Cuiá, passando pela denúncia de traficantes de drogas que detinha títulos eleitorais, como mencionou o governador eleito em entrevista. 
A desapropriação dos alagados do Cuiá ganha reforço, principalmente depois do tom intimidativo que vociferou o prefeito Luciano Agra ao ameaçar quem insistisse no assunto. É fato que o terreno alagadiço desapropriado carece de amparo legal, segundo juristas experts no tema. O colunista Rubens Nóbrega publicou, inclusive, nota sobre o assunto. Para além das questões legais existem as de fundo moral: não é demais lembrar que o Conselho Regional de Corretores de Imóveis (Creci), em laudo enviado e publicado por Nóbrega, deixou claro a excessiva superioridade de valores (prá não afetar aos ouvidos do prefeito) pagos pelo metro quadrado da localidade desapropriada.
Mas, até mesmo no entender de qualquer criança de 5º ano primário que esteja aprimorando o aprendizado das operações sabem que 2,5 é maior que 1. É só estabelecer o comparativo entre os valores pagos pelo metro quadrado do Altiplano Cabo Branco (onde se construiu o Estação Ciência) com o alagadiço do Cuiá. Simples.
"Mais fede". Registra-se na entrevista concedida pelo prefeito Luciano Agra ao Portal de Notícias WSCom, que agora existe um espaço reservado para um campus da Universidade Federal e que essa é uma antiga reivindicação. A UFPB já dispõe de terreno, mais central e valorizado, situado em Mangabeira. 
A administração da UFPB tem, inclusive, registrado dificuldades em manter o espaço longe das ocupações (invasores), como havia dito o próprio reitor em uma de suas reuniões registradas no Centro de Ciências Humanas Letras e Artes. Também a tentativa de afirmar-se como criador de parques entra em contradição quando é sabido (com documentação já exibida) que Luciano Agra autorizou loteamento em Zona Especial de Proteção. Como se diz no popular “quando mais mexe, mais fede”





sábado, 30 de outubro de 2010

Superintendente da Emlur (PMJP) é flagrado em vídeo comprando 2 mil passagens de ônibus para eleitores

Vídeo flagrante postado pelo blogueiro Dércio Alcantara no Youtube mostra como funciona o modelo republicano da Coligação PSB/PSDB/DEM encabeçada pelo ex-prefeito de João Pessoa, Ricardo Coutinho. No vídeo, de imagens em contraluz, o superintendente da Emlur (autarquia responsável pela limpeza urbana da PMJP), Deusdete Queiroga negocia a compra de duas mil passagens de ônibus com destino à Campina Grande e região do Cariri.
Na negociação gravada em câmera oculta e com áudio, Deusdete comenta a possibilidade de adquirir as passagens, inclusive, como doação de campanha. O portal de notícias ClickPB divulgou a transcrição do áudio (abaixo). A gravação pode ser a explicação para que Justiça Eleitoral tenha revistado a casa do superintendente da Emlur neste sábado, dia 30.




video



(INTERLOCUTOR) E AÍ, COMANDANTE? O QUE É QUE ORDENA?
(DEUSDETE QUEIROGA) E AÍ, TUDO EM PAZ?
(INTERLOCUTOR) COMIGO “TÁ” TUDO BEM. E COM VOCÊ?
(DEUSDETE) RAPAZ, A GENTE “TÁ” VENDO A QUESTÃO DE TRANSPORTE, VOCÊ TINHA ME FALADO. VOCÊ TARBALHA LÁ NA EMPRESA LÁ, NÃO?
(INTERLOCUTOR) NÃO, EU TRABALHO DIRETO COM ELE, COM WALTER (BRITO).
(DEUSDETE) É A REAL?
(INTERLOCUTOR) É A REAL!
(DEUSDETE) É SÓ CAMPINA HOJE?
(INTERLOCUTOR) NÃO, CAMPINA E CARIRI, VAI ATÉ, VAI ATÉ, É...
(DEUSDETE) MONTEIRO?
(INTERLOCUTOR) ATÉ MONTEIRO, A ÚLTIMA CIDADE É MONTEIRO.
(DEUSDETE) CARIRI PEGA ALI, SÃO JOÃO E TARARÁ E AÍ MONTEIRO NÉ?
(INTERLOCUTOR) É.
(DEUSDETE) E AÍ EU QUERIA VER O SEGUINTE, RAPAZ. A GENTE “TÁ” PENSANDO EM VER SE JÁ CONSEGUE COMPRAR UMAS PASSAGENS PARA CAMPINA E AQUELA REGIÃO DE MONTEIRO. ALI EU IRIA QUE DAVA UMA ESTIMATIVA TAMBÉM. COMO É QUE FUNCIONA LÁ? A GENTE TEM COMO COMPRAR E ENTREGAR, PORQUE, TENS UMAS EMPRESAS AÍ QUE SÓ QUEREM VENDER SE DER O NOME E CPF E TAL, MAS NO CASO DA REAL TÁ TRANQUILO?
(INTERLOCUTOR) TÁ. WALTINHO PODE ASSINAR AS PASSAGENS, ENTENDESSE? EU ACHO ATÉ QUE PODERIA SER VISTO COMO DOAÇÃO DE CAMPANHA, PODE NÃO?
(DEUSDETE) PODE. PELO MENOS UMA PARTE, A GENTE VIA COMO É QUE FAZIA. AÍ EU QUERIA VER SE VOCÊ FAZIA, UMA, UMA, DAVA UMA CONVERSADA LÁ COM ELES, E AVISAVA ISSO, PORQUE EU TAVA CONVERSANDO LÁ COM ELE, ELE IA ME AVISAR AINDA, SEI LÁ SE A GENTE PENSAR AÍ JOÃO PESSOA CAMPINA GRANDE, UMAS DUAS MIL PASSAGENS, NÉ?
(INTERLOCUTOR) JOÃO PESSOA, CAMPINA, DUAS MIL, E CARIRI? VOCÊ TERIA QUE VER E ME LIGAVA?
(DEUSDETE) FAZER UMA LEVANTADA. AÍ TE LIGO. TE LIGO ATÉ AMANHA.
(INTERLOCUTOR) PRONTO!
(DEUSDETE) AÍ A GENTE VIA COMO IA FAZER. EU VOU LHE DAR ASSIM UMAS QUANTIDADES. O CARIRI VAI ATÉ O FINAL, ACHO QUE ATÉ MONTEIRO. AÍ EU VOU, VOU TE PASSAR E VOCÊ PREPARA UM, FAZ UM LEVANTAMENTO, VÊ O QUE É QUE CONSEGUE, VER O QUE É QUE TEM DE DESCONTO E TAL, E AÍ A GENTE ESTUDA. AGORA VAMOS TER ESSE FERIADO AÍ DO DIA DOIS, ACHO QUE MUITA GENTE VAI E SÓ VAI QUERER VOLTAR POSSIVELMENTE DEPOIS DO DIA DOIS NÉ? ELA VAI COM DATA, COMO É QUE SERIA?
(INTERLOCUTOR) NÃO, ELE DÁ SEM DATA! SEM DATA!
(DEUSDETE) E A VAGA, A VAGA, TEM QUE VER QUESTÃO DA DATA ENTÃO AÍ, COMO É QUE VAI FAZER ISSO?
(INTERLOCUTOR) COMO ASSIM? É QUESTÃO DE VAGA? NÃO, MAS AÍ A EMPRESA NUM TEM MUITO ÔNIBUS?
(DEUSDETE) AÍ VAI COLOCANDO.
(INTERLOCUTOR) É, OLHA, ELE DÁ ASSIM.
(DEUSDETE) HUNRUM. ENTÃO AMANHÃ DE MANHÃ CEDO EU LHE LIGO, AÍ VOCÊ TENTA LEVANTAR O CUSTO DISSO, AÍ A GENTE CONVERSA CERTO?
(INTERLOCUTOR) PRONTO! DUAS MIL PARA...
(DEUSDETE) AMANHÃ EU MANDO ESSE LEVANTAMENTO PARA VOCÊ.
(INTERLOCUTOR) VOCÊ VAI FAZER ESSE LEVANTAMENTO E VAI TER QUE VER.
(DEUSDETE) VEJO. AÍ ANTES DE VOCÊ TRAZER, EU LHE MANDO O LEVANTAMENTO, PODE ATÉ SER QUE SEJA MAIS. MAS EU VEJO A IDEIA DE CAMPINA GRANDE E DO CARIRI.
(INTERLOCUTOR) TU “TAVA” ONTEM LÁ?
(DEUSDETE) AONDE?
(INTERLOCUTOR) LÁ NO FORROCK?
(DEUSDETE) NÃO, NÃO, FUI ONTEM NÃO!
(INTERLOCUTOR) FOI NÃO.
(DEUSDETE) FOI BOM LÁ?
(INTERLOCUTOR) MEU AMIGO, A MAGO BOTOU “PRA FUDER” LÁ, FALOU SOBRE...
(DEUSDETE) A GENTE TAVA NUMA REUNIÃO AQUI, AÍ DEMOROU.
(INTERLOCUTOR) FALOU SOBRE, SOBRE A QUESTÃO DA SEGURANÇA PÚBLICA, AÍ FALOU SOBRE ARMA, QUE A POLÍCIA APREENDE E VOLTA PARA A MÃO DOS BANDIDOS, QUE É VERDADE, PORQUE O POLICIAL PEGA, GANHA POUCO, AÍ O CARA PRENDE UMA ARMA, ELE VAI E VENDE, NÉ VERDADE?
(DEUSDETE) LÓGICO!
(INTERLOCUTOR) VENDE A PREÇO DE BANANA. AGORA OLHE, SE VOCÊ PRECISAR DE MIM PARA FAZER AQUELE TRANSPORTE DE DINHEIRO, EU ANDO ASSIM.
(DEUSDETE) ESSA PARTE DE DINHEIRO, MAIS TARDE EU VEJO. A PARTIR DE AGORA EU “TÔ” MAIS PRECOUPADO COM ESSA PARTE DE PASSAGEM E DE TRANSPORTE, MAS EU VEJO, EU VEJO VIU, SE PRECISAR EU LIGO.
(INTERLOCUTOR) SE PRECISAR DE ALGUMA COISA O “CABA” CERTO SOU EU.
(DEUSDETE) EI, “BRIGADÃO”, AMANHÃ MESMO EU TE LIGO TÁ CERTO?
(INTERLOCUTOR) BELEZA!
(DEUSDETE) AMANHÃ UMAS OITO, NOVE HORAS, PRA TE DIZER A PREVISÃO TOTAL PRA VOCÊ ME TRAZER O ORÇAMENTO. VOCÊ CONVERSA COM WALTER LÁ, VIU?
(INTERLOCUTOR) EU CONVERSO COM ELE AINDA HOJE, JÁ DOU UM TOQUE AÍ LHE DOU UMA POSIÇÃO, BELEZA?


Como o leitor pode perceber, esta é mais uma máscara que cai: o velho modo de cabalar votos parece ser a força motriz que move os girassóis para eleger seu candidato. Só para lembrar, Deudete Queiroga é homem de confiança de Ricardo Coutinho e já foi superintendente da STTrans da Prefeitura Municipal de João Pessoa, na primeira gestão do socialista Coutinho.

Compromisso: Telaaraña publicará denúncias comprovadas enviadas pelos leitores

Recebi email da competente diretora de marketing da Prefeitura Municipal de João Pessoa, Ruth Avelino que reproduzo abaixo:
“Ei fofinho, agora tu só escreves coisas contra RC e a PMJP é???Tá tudo em ordem com lá pelas bandas do Gov. Maranhão??? e de Vene????
Posso te mandar algumas informações se vc quer mudar de tema!!!

Beijos e saudades de vc e Raquel!!
Ruth”

Antes de entrar na questão que envolve as denúncias e documentos postados no blog Telaaraña sobre as condutas pouco republicanas dos gestores públicos a frente da PMJP quero agradecer a sincera preocupação conosco. À Ruth, respondo que estamos bem, apesar do frio (e em alguns dias também da chuva) que faz em Pontevedra, Espanha. Ruth, obrigado pelo carinho e preocupação.
Mas quero também me reportar a questões que envolvem as “coisas contra RC e a PMJP”. Também não se trata de ser contra ou a favor, como insinua Avelino. Trata-se de ter em mãos as comprovações necessárias para levar a público, mesmo reconhecendo o limitado alcance do Telaaraña: documentos recebidos que atestam falta de compromisso com a questão ambiental e reforçam haver ações pouco republicanas com o trato da coisa pública.
Não o faço em função de A ou B e só publiquei porque são documentos assinados advindos dos gestores públicos da PMJP. Se Ruth Avelino se dispõe a enviar documentos comprometedores da gestão do prefeito campinense Veneziano Vital ou do Governador Zé Maranhão, de minha parte quero deixar claro que há muito gosto e vontade em publicá-los. O que não pode acontecer, por questão de responsabilidade, é a publicação de suposições, fofocas, intrigas etc.
Quando o Telaaraña publicou que a saúde da PMJP estava doente e usou a propagação do sarampo (há muito que não incidia em território pessoense) fez com base em dados do Ministério da Saúde. Os casos de sarampo em João Pessoa (que fez espalhar o contágio para outros municípios da Paraíba e para outros Estados da Região)  atestam a deficitária cobertura vacinal da Secretaria de Saúde da Capital.
Ainda quando publicou documentos que comprovam irregularidade e o descaso da questão ambiental, como a transformação de Zona Especial de Proteção em loteamento privado, o Telaaraña o fez com responsabilidade, dever cívico e republicano. Estes documentos, inclusive, atestam que o discurso do ex-secretário de planejamento da gestão Ricardo Coutinho, ex-vice prefeito e agora prefeito, Luciano Agra, para com a preocupação de criar espaços (parques pagando valores muito acima da média de mercado, como a superfaturada desapropriação de parte da Fazenda Cuiá) para a cidade é falso: quem quer garantir espaços verdes não autoriza loteamento em Zonas de Proteção Ambiental, matando vegetação ciliar e comprometendo a existência de córregos e riachos.

O Telaraña publicará, todas as denúncias comprovadas que Ruth Avelino disponibilize ao blogueiro. A documentação que disponha, amiga Avelino, de comprometedor (como afirmas em teu email) contra o prefeito de Campina Grande, Veneziano Vital ou contra o Governador Zé Maranhão, envia-me que será publicado. Mas, por favor, as denúncias sejam comprovadas, por respeito aos poucos leitores que tenho.
Por fim, quero reafirmar compromissos com os colaboradores (alguns que pedem para permanecer anônimos) que enviam caminhos e documentos comprobatórios atos não republicanos da gestão Ricardo Coutinho e Luciano Agra. Neste momento, acompanho de perto os pagamentos de valores às empresas de estudos topográficos pela Prefeitura de João Pessoa.





sexta-feira, 29 de outubro de 2010

De José Serra a Paulo Preto e de Ricardo Coutinho a Luciano Agra

 Meses atrás expus aqui neste blog que o candidato Ricardo Coutinho votaria em José Serra por conta das circunstâncias e aproximações com o tucanato paraibano. Mas, quando o fiz, não imaginava que além do voto em Serra, confirmado pelo material de campanha impresso e divulgado, Ricardo Coutinho utilizaria os mesmos artifícios para com seu escudeiro, abandonando Luciano Agra (sobre a desapropriação superfaturada de parte da Fazenda Cuiá) e jogando-o às feras, assim como fez o presidenciável tucano com Paulo Preto.
O leitor e eleitor devem lembrar do debate em que a candidata a Presidente da República Dilma Roussef, tratou do cidadão Paulo Preto, um dos integrantes do governo Serra em São Paulo, acusado de desviar 4 milhões de reais. A exposição do fato levou o presidenciável tucano a negar conhecer o seu auxiliar no comando do Estado mais economicamente forte da União. Serra deixou claro, ainda no debate, que além de desconhecer o personagem, não tinha ciência sobre as denúncias que o envolviam. Só depois de recado de Preto, “ninguém abandona os amigos às feras”, Serra recuperou a lembrança do colaborador.
No último debate ocorrido na TV Cabo Branco entre os candidatos ao Governo da Paraíba, um fato semelhante ocorreu quando veio à tona denúncia de superfaturamento de parte da Fazenda Cuiá, avaliado por experts do Conselho Regional de Corretores de Imóveis em pouco mais de 2 milhões. A Prefeitura de João Pessoa pagou na transação quase 11 milhões, em tempo recorde (menos de um mês para a efetivação de duas parcelas) e às vésperas das eleições.
Ricardo Coutinho, inicialmente, tentou fazer de conta que não era com ele. Mas, tampouco podia dizer que não conhecia seu escudeiro, ex-secretário de planejamento, ex-vice-prefeito e agora prefeito de João Pessoa, Luciano Agra. Ele deixou implicitamente claro que, se alguém deve ser inquirido e responsabilizado sobre o caso, este deve ser o governante da Capital.
O sorumbático e quase mudo prefeito, Luciano Agra, parece ter absorvido o golpe. Tanto assim que resolveu falar (nesta sexta, 29) sobre as denúncias levadas ao ar pelo assessor da PMJP, Gustavo Pessoa, integrante da comissão que “avaliou” (sem sequer ter ido ao local) a área. Os valores da desapropriação e a celeridade no processo, ainda segundo Pessoa, foram recomendados pelo prefeito e secretária de planejamento, Estelizabel Bezerra.
Como era de esperar, assim como fez Ricardo Coutinho no debate da TV Cabo Branco ao repassar responsabilidades de forma clara para Luciano Agra, este último já tenta repassar para os seus auxiliares. O fato é que até o momento, ninguém do staf municipal defende a justeza do valor pago pela PMJP na desapropriação do terreno alagadiço.
Republicanismos de discurso à parte, o que os cidadãos paraibanos querem e devem saber é onde, como, em que conta entrou e para quem foi repassado o excessivo quantitativo em reais pagos ao terreno do Cuiá. Não cabem dúvidas que os valores foram superajustados, mas será esse o único caso de irregularidade envolvendo interessados na especulação imobiliária?
Terá sido esse o único superfaturamento que envolve a Prefeitura de João Pessoa? O jornalista Rubens Nóbrega vem mostrando os descaminhos de alguns processos da Prefeitura da Capital: transformação de ZEP em loteamento, merenda escolar, coleta de lixo, pregão de equipamentos de informática, etc. O Ministério Público precisa sair da letargia, afinal de contas, a denúncia do Cuiá não ocorreu ontem, embora só agora o órgão venha apurar os fatos.


quinta-feira, 28 de outubro de 2010

Telaarana divulga documentos que comprovam irregularidade da PMJP

Em meio às denúncias de superfaturamento da compra de terreno alagadiço de parte da Fazenda Cuiá pela Prefeitura de João Pessoa, o blog Telaaraña recebeu de anônimo e divulga (abaixo) cópias dos documentos que comprovam outra irregularidade do então secretário de Planejamento, Luciano Agra, na gestão do socialista Ricardo Coutinho. Trata-se de liberação do loteamento Vale Verde, em Zona Especial de Preservação (ZEP), localizado no bairro de José Américo.
Estes mesmos documentos já foram utilizados como referência para denúncia publicada pelo jornalista Rubens Nóbrega, em 27 de fevereiro deste ano. A ZEP loteada fazia parte de um importante ecossistema responsável pela manutenção de mata ciliar do Riacho Laranjeiras, que separa parte dos bairros do José Américo e Mangabeira. Com o loteamento, a mata que protegia o riacho foi completamente devastada, o que poderá causar o seu assoreamento e até mesmo a sua extinção.
Outro fator importante a ser observado é que a impermeabilização do solo é uma das conseqüências prováveis. Isso levará, inevitavelmente, às inundações locais e em áreas circunvizinhas. A conversão de ZEP em loteamento é uma clara evidência da especulação imobiliária. A ela soma-se a “superfaturada” desapropriação da Fazenda Cuiá. A quem interessa as ações especulativas? Quem ganha com elas? Quem perde é a cidade e seus habitantes e a PMJP deve explicações.











quarta-feira, 27 de outubro de 2010

Os eleitores campinenses e a fábula do Galo Chantecler

O galo de fazenda chamado Chantecler acreditava que seu canto era o responsável pelo nascimento diário do sol. Não só o galo, mas todos os outros animais do lugar acreditavam no canto mágico, o que tornava Chantecler muito popular na fazenda onde morava. Certo dia, o Grão-Duque dos Mochos (corujas), que estava sempre incomodado com a luz do sol, manda um de seus capangas até a fazenda brigar com Chantecler no intuito de impedi-lo de cantar para o sol. Chantecler consegue vencer os capangas, mas, com a balburdia da briga, acaba esquecendo de cantar para o sol, que dava seus sinais de luz no horizonte sem a necessidade do canto. Após perceberem que o sol podia nascer sem que Chantecler cantasse, todos os animais da fazenda o ridicularizam e o acusam de impostor.

Caro anônimo,
O Galo acreditava que o sol nascia após cantar
Concordo com parte de sua argumentação, mais precisamente sobre as qualidades de alguns parlamentares eleitos. Não compartilho com a totalidade dos nomes que mencionas e que julgas serem péssimos representantes campinenses nos planos estadual e nacional. Mas dizer que o campinense não sabe votar é muito!!! É demais. Por dois pleitos seguidos o eleitor de Campina Grande, por exemplo, deu sinais de maturidade ao eleger Veneziano Vital ao invés do pesado,  insosso e representante do que existe de mais atrasado na política paraibana.
Não concordo com o argumento de que Cássio é apenas uma escada para Ricardo Coutinho e que ele se presta a step para o pessoense chegar ao Palácio da Redenção. Ele é, de fato, bom de voto. Mas ruim na Lei.E esse detalhe deverá persegui-lo por mais alguns anos, de acordo com a Lei da Ficha Limpa.
O fato é que Campina Grande não tem candidato e vai ter que se render ao poderio de João Pessoa. Campina está e estará por muito tempo sob domínio da Capital, caso Coutinho ganhe as eleições. Isso é fato. Senão vejamos: Cássio, mesmo que venha ser considerado senador eleito (o que é muito difícil), não poderá concorrer ao Governo do Estado nas próximas eleições, já que a ressalva do seu caso seria da não aplicação da Lei da Ficha Limpa somente para este ano.
A outra opção campinense será Veneziano Vital, mas que sem o Governador Zé Maranhão no Palácio da Redenção, terá suas chances reduzidas ao extremo. Sem contar que, caso Ricardo Coutinho ganhe a eleição, o futuro prefeito de Campina Grande passará também pelas vontades do pessoense. Resumindo: Campina e os campineses terão que engolir um pessoense e aguentar a intensificação das galhofas, das piadas de buteco.
Pelo teor do seu comentário, imagino que você seja um desses deslumbrados seguidores de Ricardo Coutinho. Julgo até que seja integrante do setor cultural e mais precisamente da área de música (única que se beneficiou nas gestões socialista na PMJP). Ou seja, um desses pessoenses inconformados com progresso campinense, que não concebe como as equipes de futebol da Rainha da Boroborema são mais eficazes que os caneleiros times Botafogo e Auto Esporte, como passou a ser referência na área da tecnologia, etc. Os Campinenses estão atentos aos desaforos de pessoenses como você, meu caro anônimo

Postagem dedicada aos eleitores campinenses



(] ) A fábula é uma narrativa que surgiu no Oriente, mas foi particularmente desenvolvida por Esopo, escravo que viveu no século VI a.C., na Grécia antiga. Suas histórias tinham os animais como personagens centrais. Através dos diálogos entre as espécies da narrativa busca transmitir aos leitores mensagens de caráter moral, como exemplo para o ser humano. As qualidades de cada animal simbolizam aspectos que mantém referência com características do homem. Na fábula da formiga e a cigarra, por exemplo, o trabalho e a preguiça são as qualidades ressaltadas.

terça-feira, 26 de outubro de 2010

Tensão pré-eleitoral

O clima das eleições esquentou muito neste segundo turno. A certeza do acirramento dos ânimos não vêm só da troca de sopapos e empurrões entre a militância “girassol” e o deputado federal Wellington Roberto (além de dois vereadores campinenses), registrados no final de semana. Os comentários e emails que tenho recebido por conta de postagens como a que sugere o teste antidoping e a que recebeu o título “O volúvel” demonstram nitidamente a agressividade de parte dos eleitores. Abaixo, reproduzo um dos mais leves destes comentários/e-mails que dão a dimensão da tensão pré-eleitoral. Pena que a maioria dos emissários não se identifica.

O Grito, de E. Munch
É incrível como você é politicamente equivocado... Nesse momento nao interessa se Cassio é ou foi coronel. O que importa é que Cassio tem influencia sobre CG e pela primeira vez o campinense vai votar certo, coerente,atendendo um pedido dele. Vão acertar uma, pelo menos!
Isso pq o povo de CG, ate agora, só escolheu candidato ruim. A oportunidade de fazer a coisa certa é essa. Pq o campinense entendeu que o melhor pra PB dar um salto é um pessoense, como Ricardo Coutinho. Aí vem vc com esse papo idiota, tendencioso e imbecil contra Ricardo.
Me admira, sendo vc um cara q é professor da UFPB... Onde vc vive??? Maranhao parou no tempo. É o atraso!!!Abre os olhos e sai dessa merda... Veja os exemplos e depois diga que não tenho razão. Deixa de ser babaca, cara. Presta atenção na história política da PB.

Não me interessa se Campina é pequena politicamente e só consegue escolher gente como o proprio Cassio, que mesmo cassado e sabendo q seu registro ia ser indeferido, ainda conseguiu reunir a maioria do eleitor campinense pra votar nele...O importante sao os votos.

CG tem disso, nao é muito racional, mas isso é detalhe. Se o senado da PB depender do campinense, sei não... Pior é q ainda elegeu Vitalzinho!!!! É pouco ou quer mais? 

Pois tem mais, “professor”. Notou a bancada federal eleita pelo povo de CG? Pense aí, só elege gente sem expressão: Romero Rodrigues, Nilda Gondim, Aguinaldo Ribeiro... 
E a bancada estadual? Coisa de campinense: Eva Gouveia, Manoel Ludugerio, Guilherme Almeida... Menos mal que ainda tem Daniela, mas aposto que o campinense vota mais pela imagem e isso tb explica o caso de Cassio.

O povo de CG é cabeça dura pra não dizer outra coisa... Mas parece que ta abrindo os olhos e tem a oportunidade de enxergar mais além, deixando o atraso de lado.

É a hora de votar na mudança e pra salvação da PB e deles, vem um pessoense pra ser governador. Finalmente vão votar certo...

Por essas e outras, acho que seus textos pouco convincentes contra RC são lixo. Me dei ao trabalho de ler algumas baboseiras só pra ter certeza de q vc é mesmo um imbecil. 

Desculpe, mas vc é um campinense cabeça dura q nao enxerga um palmo a frente do nariz??? Pois acorde, pq o povo de CG agora vai votar certo. A PB vai ter pela primeira vez um pessoense no comando. É RC 40!!

Se liga babaca!!